A energia solar está ganhando espaço em diversos segmentos do mercado e no caso das instituições de ensino não é diferente.

Além de reduzir os custos na conta de luz, a instalação dos painéis demonstra a preocupação da empresa com o meio ambiente  aos professores, alunos e comunidade e também é uma forma de aumentar a qualidade do ensino.

Em geografia, por exemplo, os estudantes podem entender na prática a importância da movimentação do sol no espaço e da incidência da luz solar para gerar energia por meio dos painéis. Nos estudos de matemática, a lição pode ser relacionada às operações com os gráficos de geração e consumo de energia nas contas de luz.

Já em física, as aulas sobre corrente elétrica, tensão e potência se tornarão bem mais interessantes quando acompanhadas de informações e ensaios práticos com o sistema fotovoltaico.

Neste texto, vamos mostrar a importância de implementar a energia solar nas instituições de ensino. Iremos destacar como ela pode ser instalada e ressaltar seus principais benefícios. Acompanhe os detalhes a seguir!

 

 

Benefícios da energia solar nas instituições de ensino

A energia solar nas instituições de ensino traz inúmeros benefícios para escolas e universidades. Antes vista como cara, a fonte de luz do sol é cada vez mais acessível e o retorno sobre o investimento acontece em pouco tempo.

Além disso, a instalação, o funcionamento e a manutenção são simples e práticos. Abaixo, destacamos algumas das vantagens dessa tecnologia. Confira!

 

Responsabilidade social e ambiental

O mundo mudou e a própria sociedade exige uma atitude socioambiental proativa por parte das empresas. Dessa forma, é cada vez mais comum encontrarmos organizações sustentáveis, que adotam práticas que minimizem o impacto ambiental de suas atividades.

No caso das instalações de placas solares fotovoltaicas nas instituições de ensino, a lógica é a mesma. Além da economia na conta de luz, essa prática também reflete no contexto pedagógico.

Uma vez que passam a entender o funcionamento de um sistema que gera energia limpa, eficiente e barata, professores e alunos também compreendem que as práticas sustentáveis são economicamente viáveis e muito importantes para a preservação do planeta.

Assim, com o uso inteligente dos recursos naturais, a escola ou universidade se torna uma instituição muito mais competitiva e com práticas alinhadas à sua missão.

Um exemplo pode ser observado na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), que instalou placas de energia solar em alguns dos seus estacionamentos, com recursos da instituição — o denominado Fundo Verde.

O próprio Fundo Verde, por sua vez, usa recursos obtidos do ICMS cobrado na conta da universidade, a fim de serem reinvestidos em programas sustentáveis em prol da Cidade Universitária.

 

Redução de gastos e novos investimentos

Independentemente se é um pequeno colégio ou um grande campus universitário, a conta de luz sempre pesa no bolso dessas instituições. Infelizmente, uma parte considerável dos orçamentos mensais é voltada para arcar com os custos de energia elétrica.

Afinal de contas, estamos falando de inúmeros ar-condicionados, computadores, aparelhos de televisão, lâmpadas, retro-projetores, entre tantos outros equipamentos, que necessariamente dependem de energia para funcionar por, muitas vezes, longas horas todos os dias.

Nesse sentido, com a instalação de um sistema de geração de energia limpa, as escolas e universidades passam a ter uma economia considerável. Elas podem, inclusive, produzir a mesma quantidade de energia que é gasta todos os meses.

Com os custos reduzidos, é possível realizar novos investimentos em diversas questões essenciais para o crescimento das instituições. Assim, por exemplo, os equipamentos poderão ser modernizados, as equipes passarão por novos treinamentos, mais eventos poderão ser realizados e os estudantes poderão desfrutar de novas atividades.

 

Valorização do espaço

Se você fosse investir em uma escola ou faculdade, qual escolheria: um estabelecimento com um sistema fotovoltaico, que gera energia limpa e renovável, ou um local que paga caro na energia fornecida pela distribuidora?

Provavelmente, você escolheria a primeira opção, não é verdade? Então, só de o local gerar energia solar, já passa a ser mais valorizado e isso pode ser uma ótima vantagem na hora de vendê-lo.

 

Manutenção barata

Mais uma questão que faz com que os sistemas de energia solar sejam econômicos é o seu baixo custo de manutenção.

Naturalmente, os valores variam conforme o tipo e o tamanho do sistema, mas, como não existem partes móveis e a chuva acaba fazendo papel de limpar os painéis, os gastos reais com a manutenção acabam se tornando muito pequenos.  

Dessa forma, lembre-se de que, apesar de nos dias de chuva o sistema gerar menos energia, a água estará limpando e contribuindo para que a tecnologia tenha um melhor desempenho nos dias de sol.

 

Conclusão

Como você pôde perceber, a energia solar nas instituições de ensino é uma tendência que não para de crescer no país e no mundo. Diversos projetos já demonstram ter ótima viabilidade financeira e a capacidade de escolas e universidades criarem soluções próprias para reduzir o impacto da crise energética.

Além de contar com uma tecnologia simples, a energia solar confere ao usuário uma maior autonomia em relação à produção de eletricidade. Em um futuro não muito distante, esse tipo de solução estará presente de uma forma muito mais intensa em todo contexto social e econômico.

Trata-se de um movimento que veio para ficar e que é cada vez mais essencial para uma sociedade consciente e responsável. Por isso, caso você esteja ligado a alguma instituição de ensino, sugerimos que coloque essas ideias em prática agora mesmo. Por que deixar amanhã aquilo que pode fazer hoje?

 

Portanto, se você acha que é o momento de contar com um sistema de energia de solar em sua escola ou universidade, faça contato com a gente. Estamos preparados para tirar suas dúvidas e ajudá-lo a tomar as melhores decisões.

Lembre-se de que, muito mais do que economizar, você estará investindo na educação da atual e das futuras gerações.

Elisa Meira Bastos