Entenda como o setor automotivo irá participar da transição energética através dos carros elétricos

Por Lucas Mendes em 2 de março 2020
Energia Solar

Você provavelmente já parou para pensar nos impactos que um carro causa ao meio ambiente, não é mesmo? Já pensou também que a transição para uma matriz energética sustentável significa que grande parte da nossa energia virá de fontes intermitentes, como o sol e o vento? A armazenagem de energia será fundamental para balancear a oferta e demanda de energia e os veículos passam a fazer parte do sistema elétrico de forma nunca antes imaginada.

Neste texto, vamos destacar como a sustentabilidade e a energia solar estão diretamente relacionadas ao setor automotivo e de transportes. Confira a seguir! 

Sustentabilidade no setor automotivo

O funcionamento do setor de transportes atualmente é insustentável por três motivos:

Primeiro, evidentemente, o modelo está baseado em um recurso finito,os combustíveis fósseis. Mais cedo ou mais tarde vamos fazer a transição para um combustível renovável, já que a velocidade com que consumimos os combustíveis fósseis excede em muito a capacidade da Terra de repô-los. As reservas que temos de petróleo, gás e carvão mineral demoraram centenas de milhares de anos para se formarem.

Contudo, não será pela escassez que vamos deixar de consumir combustíveis fósseis, mas sim por critérios econômicos, como veremos adiante.

Segundo, é comprovado que a queima dos combustíveis fósseis causa o aquecimento global. Ainda que a imensa maioria dos cientistas acredite que ele esteja diretamente associado à emissão de gases de efeito estufa, não há consenso quanto a esta causalidade, e tampouco quanto as reais consequências negativas do aumento de temperatura.

Independentemente, considerando a inevitável transição energética e os potenciais efeitos catastróficos causados pelas mudanças climáticas, é sensato a humanidade almejar uma rápida transição à era da energia sustentável.

Terceiro, como sabemos, os gases emitidos pelos automóveis além de causar o aumento de temperaturas,também são altamente tóxicos e poluentes, podendo causar mortes por doenças respiratórias.Para minimizar estes efeitos, o setor precisa encontrar alternativas a curto prazo para a redução das emissões. Nesse contexto, a solução tecnológica que demonstra maior competitividade é a adoção de veículos elétricos.

A boa notícia é que embora a adoção inicial dos carros elétricos nos países desenvolvidos tenha sido motivada por políticas governamentais, impondo metas de redução de emissões aos fabricantes de automóveis, em breve o custo dos carros elétricos será competitivo com o dos carros com motores de combustão. Nos últimos 7 anos o custo das baterias caiu 79%.

Eletrificação já é uma realidade

Todas as grandes montadoras já anunciaram metas agressivas de lançamentos de carros elétricos. VW, Daimler, Nissan e Volvo vão eletrificar toda a sua frota em até 10 anos. O número de modelos elétricos disponíveis deverá saltar de 155 ao final de 2017 para mais de 280 até o final de 2022 de acordo com o roadmap de ofertas do setor.

O percentual de vendas de carros elétricos ainda é muito baixo, com menos de 2% do total na maioria das regiões, mas a expectativa é de um rápido crescimento. Os principais desafios à adoção em massa dos veículos elétricos será a infra-estrutura de recarga e a disponibilidade de metais para a fabricação de baterias, como o cobalto. Para o transporte de longa distância os veículos a hidrogênio poderão ser mais apropriados, mas tudo indica que os carros elétricos já ganharam a batalha tecnológica para substituir os combustíveis fósseis.

De acordo com a Bloomberg New Energy Finance, a venda de veículos elétricos deverá saltar de 1,1 milhões em 2017 para 11 milhões em 2025, quando já serão mais baratos do que os carros a combustão, e chegarão a 30 milhões em 2030.

A China deverá liderar a transição. Em 2025, 50% das vendas mundiais de veículos elétricos serão no mercado chinês. Isto corresponde a cerca de 20% das vendas totais de veículos na China estabelecidas para 2025. Estima-se que em 2040, 55% de todas as vendas e 33% da frota global será elétrica.

Integrando os setores de transporte e eletricidade

O forte crescimento das fontes renováveis no Brasil, e em todo mundo, já foi amplamente divulgado. Cada vez mais o sistema elétrico será alimentado por fontes intermitentes, demandando tecnologias que permitam armazenar energia para compensar os momentos onde não há luz solar ou bons ventos.

A forte adoção dos veículos elétricos irá aumentar consideravelmente as possibilidades de armazenamento de energia. De fato, os veículos elétricos serão encarados como parte do sistema elétrico do futuro pelos operadores e planejadores (ONS e EPE, no Brasil). Os veículos elétricos serão responsáveis por um grande consumo de eletricidade, demandando uma infra-estrutura de distribuição bastante robusta, mas poderão também ser utilizados para acumular energia nos momentos que não estão sendo utilizados e aliviar a rede nos horários de pico.

Estudos mostram que os carros são utilizados em apenas 8% do tempo total, o que significa que podem ser bastante úteis para balancear o sistema elétrico. No mercado de energia do futuro os sinais de preços deverão refletir as condições de curto prazo de oferta e demanda. Assim, a energia será mais barata ao meio dia, onde haverá excesso de energia solar.

Imagine um futuro onde você poderá deixar o seu carro conectado a um painel solar enquanto trabalha e utilizar a energia armazenada na bateria para alimentar a sua casa no início da noite, quando a demanda é maior e os preços mais caros.