O governo federal avalia colocar placas solares ao longo dos canais que fazem parte do Projeto Rio São Francisco. A informação foi dada pelo presidente Jair Bolsonaro, em uma postagem na sua conta do Twitter, no final de fevereiro.

O objetivo com a instalação das placas solares é que haja uma redução dos gastos com energia elétrica no empreendimento. A energia solar gerada será utilizada, principalmente, no bombeamento da água.

De acordo com o Ministério do Desenvolvimento Regional, o consumo de energia elétrica do sistema de bombeamento corresponde a, aproximadamente, 80% dos custos da operação. Ainda de acordo com o Ministério, a demanda anual nas fases pré-operacionais e operacionais do Projeto fica em torno de 746 mil MW.

Entenda o Projeto de Integração do Rio São Francisco

Com 477km de extensão em dois eixos, Leste e Norte, o Projeto de Integração do Rio São Francisco é a maior obra de infraestrutura hídrica do País. O Projeto visa garantir a segurança hídrica de mais de 12 milhões de pessoas em 390 municípios nos estados de Pernambuco, Ceará, Rio Grande do Norte e Paraíba, onde a estiagem é frequente.

O empreendimento, nos dois eixos, engloba a construção de 13 aquedutos, 09 estações de bombeamento, 27 reservatórios, 09 subestações de 230kw, 270km de linhas de transmissão em alta tensão e quatro túneis. Inclusive, um desses túneis, o Cuncas I, é o maior da América Latina para transporte de água, com 15km de extensão.

Fonte: Ministério da Integração Nacional

Elisa Bastos