Como ler a fatura de energia com sistema fotovoltaico?

Por Marketing Astra Solar em 24 de junho 2020
Energia Solar

Assim que a instalação do seu sistema fotovoltaico é finalizada, a concessionária faz a troca do medidor e você começa a produzir sua própria energia. Sua conta de luz sofrerá algumas alterações.

Uma dúvida comum quando um cliente instala um sistema, é como saber se o valor da fatura está correto agora? Vamos explicar em partes.

Um consumidor comum possui um medidor de energia unidirecional, que registra o fluxo de energia em um sentido: da rede de energia para a sua propriedade.

Quando o consumidor adquire um sistema fotovoltaico, o medidor unidirecional é trocado pela concessionária por um bidirecional, que registra os dois fluxos de energia: a energia consumida e a energia injetada.

O medidor bidirecional tem um código para cada uma das duas leituras, normalmente o código 003 representa a energia consumida e o código 103 representa a energia injetada na rede.

A energia gerada pelo sistema é utilizada na unidade geradora. Nos instantes em que não há geração, como à noite, ou quando houver muito consumo, a energia elétrica do sistema fotovoltaico pode não ser suficiente. Uma parte, então, é fornecida pela rede da concessionária.  

No instante em que a geração é maior que o consumo, a energia excedente é injetada na rede. É nesse momento que o medidor irá contabilizar o fluxo reverso de energia, da unidade geradora para a concessionária. Essa energia injetada se transforma em créditos, com validade de 60 meses.

A energia injetada não é a mesma energia que é consumida! A energia injetada é menor que a gerada. Isso porque uma parte da energia gerada é consumida pela unidade assim que foi gerada.

No instante em que se gerar mais energia do que consumir, a energia será INJETADA na rede na concessionária. E no instante em que gerar menos energia do que se consumir na unidade, a energia será OBTIDA da rede da concessionária. É tudo instantâneo, de hora em hora. E é tudo contabilizado no final do mês, na fatura!  

O valor da fatura será a diferença entre a energia fornecida pela concessionária nos momentos em que o consumo foi maior do que a geração e a energia excedente que foi injetada na rede.

https://lh5.googleusercontent.com/j94wvGRQzlzgX6kXXMiYGlMbL78UiUvrdPzLZejoFvJ4bgCDevZC_RO29ymnDhpJP3TOQu5UWD3YxU1hyFvIOgrnpVxNU_TYhmprCqWuK2pklNwptikasA4bqNqSfvx5u983wLrS

E como saber se a energia foi injetada corretamente, já que a injetada é diferente da gerada?

Você deve se perguntar algumas coisas:

Primeiro, meu consumo está correto? Aumentei meu consumo nesse último mês? Tenho algum aparelho elétrico novo? (isso influencia no valor da fatura)

Segundo, o valor de energia injetada condiz com a geração do meu sistema?

Se não houve aumento de consumo e seu sistema está gerando normalmente, você só precisa ver se a fatura mostra a leitura correta de energia consumida (código 003) e injetada (código 103). É só verificar no medidor.

Vamos aos exemplos!

Geração maior do que o consumo

Quando o sistema está gerando energia,  esta pode ser consumida instantaneamente e, nesse caso, esse número nem aparece na conta de energia, ou pode ser injetada na rede, caso a geração seja maior do que o consumo naquele instante.

Vamos mostrar através de um exemplo. Suponha que o seu sistema tenha gerado 700 kWh/mês. Desse total, 300 kWh/mês foram consumidos assim que foram gerados. Os 400 kWh/mês restantes aparecem na sua fatura como energia injetada na rede. Isso porque, como expliquei, a geração era maior do que o necessário para o consumo no instante em que foi gerada, não tendo sido consumida naquele momento.

Sobre o consumo, vamos supor que foram consumidos neste mês um total de 500 kWh/mês: os 300 kWh/mês que foram consumidos instantaneamente, e mais 200 kWh/mês, que foram fornecidos pela concessionária nos momentos em seu consumo era maior do que a sua geração.

Os 200 kWh/mês de energia fornecida pela rede aparecem na sua conta como energia consumida e serão abatidos por 200 kWh mês vindos dos 400 kWh injetados na rede. Dessa forma, os 400 kWh são divididos na fatura. Os 200 kWh que aparecem como energia injetada e os outros 200 kWh/mês que você gerou e não consumiu ficam contabilizados como saldo de energia, que podem ser utilizados em até 60 meses.

Sua conta, nesse caso, virá com o valor mínimo, ou taxa de disponibilidade, de 100 kWh/mês, considerando que o seu padrão seja trifásico.

Geração menor do que o consumo

Caso o consumo tenha sido menor do que a energia gerada, o valor cobrado na conta será essa diferença. Ex: Um consumidor gerou 500 kwh/mês, consumiu instantaneamente da rede 400 kWh/mês e consumiu instantaneamente do sistema fotovoltaico 350kWh/mês. Ele terá injetado 150 kwh na rede por que gerou 500kWh e consumiu 350kWh do sistema fotovoltaico. 

Ao final de um mês será cobrado o valor referente à diferença entre os 150kWh que injetou e os 400kWh que consumiu instantaneamente da rede, resultando em 250kWh a serem pagos neste mês.

A energia consumida, que não foi produzida na unidade geradora, será fornecida normalmente pela concessionária.

https://www.youtube.com/watch?v=GoPT10CNt30