A conta de energia sabidamente é um dos custos mais significativos para o setor do varejo, principalmente para os supermercados. Em 2015 a Associação Brasileira de Supermercados (ABRAS) divulgou que as despesas energéticas foram o segundo maior custo das empresas, ficando atrás apenas das folhas de pagamento.

A razão disso é a própria natureza do negócio, que normalmente envolve muitos aparelhos de refrigeração e também muita iluminação. Deste modo, escrevemos este artigo jundo de nossos parceiros da Infovarejo para ajudar os varejistas, apresentando algumas possibilidades de redução de custos da conta de energia,

O que fazer para reduzir a conta de energia?

São múltiplas as maneiras pelas quais o varejista pode reduzir essa incômoda despesa, e a definição do melhor conjunto de soluções varia conforme o tipo e, principalmente, o porte do negócio. Uma das opções mais interessantes economicamente e que tem ganhado muita popularidade é o uso da tecnologia solar fotovoltaica. Esta e outras possibilidades de ações para reduzir as despesas energéticas serão explicadas ao longo do artigo.

conta de energia varejo

Migração para o Mercado Livre

No caso de negócios que envolvem estabelecimentos de grande porte, vale a pena avaliar a possibilidade de migrar do mercado cativo de energia para o mercado livre. No mercado livre é possível celebrar contratos de fornecimento de energia a tarifas mais baixas do que as cobradas pelas concessionárias, trazendo economia ao negócio.

Para fazer a migração, é obrigatório que o estabelecimento apresente demanda contratada de pelo menos 500 quilowatts (kW). É possível somar a demanda de diferentes lojas (desde que em um mesmo CNJP) para alcançar os 500 kW.

Cabe lembrar que, uma vez realizada a migração, caso deseje-se retornar ao mercado cativo, a concessionária tem até 5 anos para aceitar novamente o cliente. Portanto, é muito importante avaliar a fundo se essa opção é mesmo vantajosa para o seu caso, pois o preço da energia no Mercado Livre pode ser também mais alto do que o da distribuidora em alguns casos.

Medidas de Eficiência Energética

Esta opção é válida para qualquer negócio! Diversas práticas podem ser aplicadas para tornar o seu varejo mais eficiente no consumo de energia, tais como a substituição de lâmpadas comuns por LEDs, a instalação de mecanismos de automação de iluminação por meio de sensores de presença e a substituição de aparelhos elétricos por modelos mais modernos e eficientes. Na hora de comprar novos equipamentos, uma maneira fácil de identificar os modelos com alta eficiência é verificar se eles possuem o selo PROCEL.

selo procel

A Eficiência Energética é uma tendência global e há diversas iniciativas no Brasil neste sentido. Todas as concessionárias de energia são obrigadas a investir anualmente no mínimo 0,5% de sua receita em ações de Eficiência Energética, constituindo o Programa de Eficiência Energética das Empresas de Distribuição – PEE.

Recentemente a CEMIG encerrou as inscrições para o programa CEMIG Troca seu Motor, no qual ela ressarcia em até 40% o consumidor que substituísse um motor antigo por um novo de maior eficiência. Desta maneira, vale a pena ficar atento às chamadas dos programas de Eficiência Energética da sua concessionária!

Geração da própria energia

Para os estabelecimentos de grande porte e que pagam valores distintos de tarifa para o Horário Fora de Ponta (atualmente cerca de 0,43 R$/kWh) e para o Horário de Ponta (atualmente cerca de 1,70 R$/kWh), uma opção interessante pode ser utilizar geradores para suspender o consumo de energia da concessionária durante o Horário de Ponta, já que o valor da tarifa cobrado é altíssimo.

O uso de geradores a diesel é a alternativa mais comum, no entanto, a expansão das redes de gás natural canalizado pelos centros urbanos tem cada vez mais popularizado o uso deste segundo combustível que, além de ser menos poluente, muitas vezes apresenta-se como uma opção mais prática e barata.

Para os estabelecimentos menores e que são tarifados com um valor único independente do horário (atualmente cerca de 0,75 R$/kWh na CEMIG), uma opção interessante é a utilização de sistemas solares fotovoltaicos para suprir o próprio consumo.

Esta opção já é possível desde 2012, quando a ANEEL instituiu o mecanismo da  Geração Distribuída e do Sistema de Compensação de Energia, pela primeira vez na história do país dando a chance aos pequenos consumidores de gerarem a sua própria energia.

A opção tem se mostrado tão vantajosa financeiramente que já existem mais de 10.000 sistemas em operação no Brasil. A atratividade é potencializada para os estabelecimentos menores devido ao alto valor único de tarifa e impossibilidade de migração para o mercado livre. No entanto, principalmente devido à queda dos preços da tecnologia fotovoltaica, o uso da energia solar nos estabelecimentos de grande porte também já mostra-se uma opção absolutamente atrativa.

Esperamos que este artigo te ajude a reduzir a conta de energia de seu negócio! Caso você já deseje receber uma proposta preliminar, entre em contato conosco e solicite uma proposta!

 Texto original: Conta de luz: como reduzir essa despesa em sua loja?

Juliana Garcia