Hoje, no Brasil e no mundo, muitas pessoas já estão gerando sua própria energia. É uma tendência crescente, proporcionada por recentes inovações tecnológicas e mudanças na legislação, associadas a um espírito global de sustentabilidade. De acordo com estimativas da ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica), até 2024 1,2 milhões de casas e empresas estarão gerando sua própria energia através de fontes renováveis, com destaque para a energia fotovoltaica.

Se você já se perguntou quais motivos levariam alguém a investir em geração autônoma de energia, você faz parte de um movimento que almeja revolucionar o modo pelo qual produzimos e consumimos energia elétrica.

por-que-gerar-minha-propria-energia

Financeiramente é vantajoso?

Em função da forte alta nos preços da energia, e da queda exponencial no preço dos equipamentos para geração de energia solar nos últimos 10 anos, de fato é mais barato gerar a própria energia do que comprá-la da distribuidora.

A grande atratividade desses sistemas de geração própria se dá, dentre outros motivos, pela recente instituição no Brasil de um sistema de compensação de energia, conhecido também como net metering. Neste modelo, consumidores de energia podem também gerar energia através de fontes renováveis e transferir a energia excedente à rede das concessionárias de distribuição.

Quando a geração é maior que o consumo, a energia excedente é injetada na rede. Quando a geração é menor que o consumo, a rede supre a demanda por energia. No fim do mês, o valor devido corresponde à diferença entre o consumo e a geração de energia, verificados através de um medidor bi-direcional.

Com energia cara, e irradiação solar abundante, o retorno financeiro sobre o investimento em um sistema de geração fotovoltaica no Brasil é bem atrativo. Geralmente o sistema se paga em até 5 anos e o retorno sobre o investimento é bem mais atrativo do que alternativas convencionais, como poupança ou fundos de renda fixa.

Posso me proteger da inflação da conta de luz?

Além dos claros ganhos financeiros com a redução da conta de luz, a geração própria implica em um grande nível de independência das oscilações do preço da energia elétrica. No Brasil, por exemplo, temos grandes variações de preço que são geradas por fatores climáticos e pela ingerência política no setor elétrico.

Dada a nossa grande dependência de hidrelétricas, longos períodos de estiagem implicam na utilização de fontes poluentes de energia, como as usinas térmicas. As térmicas, além de altamente nocivas ao meio ambiente, geram uma energia muito mais cara e quem paga por isso é o consumidor.

Ao gerar sua própria energia, é possível se blindar destas oscilações de preço, já que o sol é abundante durante todo o ano. O único gasto mensal é com as taxas mínimas e obrigatórias cobradas pelas concessionárias.

E além do ganho financeiro?

Ao optar por gerar a própria energia através de fontes limpas e renováveis, você também estará contribuindo para a redução dos gases de efeito estufa e evitando o desenvolvimento de novas hidrelétricas, com alto impacto ambiental.

Além disso, ao aproximar os pontos de geração de energia dos pontos de consumo, todo o sistema elétrico se beneficia. Isto porque quando a energia é gerada em grandes usinas, longe dos pontos de carga, a energia deve ser elevada uma tensão muito alta, para então ser transmitida através de longas linhas de transmissão e posteriormente rebaixada à tensão que estamos acostumados a utilizar. Em todos estes processos há perdas, que tornam a energia mais cara para todos.

Por fim, ao aproximar os pontos de geração e consumo, a geração distribuída alivia a carga sobre os sistemas de transmissão e distribuição de energia, evitando novos investimentos que também devem tornar a energia cada vez mais cara.

Se você acredita nessa possibilidade e quer de participar dessa revolução energética, envie seu comentário!

mm
Lucas Mendes

Formado em administração de empresas, por dois anos se dedicou a um MBA pela IESE Business School da universidade de Navara (Espanha). Atuou na Schneider Electric, empresa global especialista em gestão de energia e em bancos de investimento e fundos de capital de risco com foco nos setores de energia e infra-estrutura.