Os sistemas de geração distribuída, que permitem aos consumidores gerarem sua própria energia elétrica, têm crescido exponencialmente no Brasil desde a aprovação da Resolução normativa 482 de 2012. Com eles é possível utilizar a energia solar fotovoltaica para obter grandes reduções na conta de luz por meio de uma fonte de energia limpa e renovável.

Mas, é possível usufruir desses benefícios em um condomínio?

Desde 2015, a partir das alterações proporcionadas pela Resolução Normativa 687, ficou bem mais fácil para que condomínios possuam sistemas de energia solar fotovoltaica! Para saber mais sobre essa possibilidade conversamos com nossos parceiros da CONDOBOX, empresa especializada em administração de condomínios. Da parceria surgiu este blogpost no qual falamos sobre as características de um um sistema fotovoltaico para condomínios e as possíveis modalidades de implementação.

Continue lendo este post para saber mais!

 

energia solar fotovoltaica em condomínios

 

 

Sistemas de Energia Solar Fotovoltaica em Condomínios

Assim como sistemas fotovoltaicos residenciais, os sistemas implementados em condomínios são posicionados normalmente no telhado. Deste modo é possível utilizar a área que tem a menor possibilidade de sombreamento, causado por árvores ou outros obstáculos, garantindo a eficiência da geração. É muito importante verificar se prédios vizinhos também não causam sombra ao longo do ano para que o sistema possa ser posicionado de modo a não ocorrerem pontos de sombreamento.

Além do local de instalação, é necessário avaliar qual a estrutura de fixação ideal para o sistema, a partir de uma análise do telhado. Em edifícios é comum encontrarmos lajes ou telhas de fibrocimento, mas prédios mais antigos podem ter coberturas de telha de cerâmica. Para cada uma dessas possibilidades existe um sistema de fixação específico, o que permite a instalação em diversas situações.

A implementação de sistemas na fachada de prédios é possível, mas pouco recomendada. Com o posicionamento vertical, os sistemas em fachadas se tornam menos eficientes do que sistemas instalados no telhado. Além disso, as estruturas de fixação são mais caras, assim como o processo de instalação das placas. Caso o objetivo seja a redução na conta de luz o ideal é buscar áreas no telhado.

Sobre as possibilidades de utilização do sistema fotovoltaico em condomínios, pode-se diferenciar entre

1) Sistema dedicado às áreas comuns do condomínio

2) Sistema na modalidade múltiplas unidades consumidoras

Sistema dedicado às áreas comuns do condomínio

Áreas comuns de edifícios, como quadras de esportes, piscina, salão de festas, academias e corredores podem se tornar grandes consumidores de energia, principalmente quando outras medidas de eficiência energética não são aplicadas. Algumas possibilidades são a instalação de sensores de presença ou o uso de lâmpadas LED, que podem reduzir o consumo energético total.Já a instalação de um sistema fotovoltaico pode reduzir consideravelmente a conta de luz do condomínio ao suprir parte da energia consumida, que deixará de ser comprada da concessionária.

Para que o sistema seja instalado é necessário considerar o consumo de energia, cujo histórico está presente na conta de luz. A partir dos dados da conta de luz é possível fazer uma análise de viabilidade técnica e financeira, avaliando a área disponível para a instalação e o percentual de redução na conta de energia que será possível suprir. A partir do primeiro mês após a instalação, a redução de custos na conta de energia já pode ser vista!

Sistema para atendimento de múltiplas unidades consumidoras

Além de suprir o consumo das áreas comuns, é possível implementar um sistema fotovoltaico no qual, além das áreas comuns, a energia gerada também seja direcionada para condôminos de maneira individualizada.

De acordo com a RN 687, para que o sistema seja caracterizado dessa forma,  as unidades consumidoras devem estar localizadas na mesma propriedade ou em propriedades contíguas, como por exemplo um prédio de apartamentos, um condomínio residencial, ou em um edifício comercial. É possível fracionar a distribuição de energia entre os condôminos de maneira igualitária ou de acordo com o consumo médio de energia. É importante lembrar que, por utilizar a área comum do condomínio, a instalação do sistema depende de aprovação por assembléia.

Para saber mais, faça o donwload da publicação da ANEEL em nosso siste, que explica com detalhes a modalidade de múltiplas unidades consumidoras.

Quer saber se um sistema fotovoltaico é viável para seu condomínio? Peça um orçamento!

mm
Lucas Mendes

Formado em administração de empresas, por dois anos se dedicou a um MBA pela IESE Business School da universidade de Navara (Espanha). Atuou na Schneider Electric, empresa global especialista em gestão de energia e em bancos de investimento e fundos de capital de risco com foco nos setores de energia e infra-estrutura.