As fontes renováveis de energia vão avançar acentuadamente no Brasil nos próximos 25 anos. De acordo com o relatório New Energy Outlook 2016, da Bloomberg New Energy Finance (BNEF), as energias solar, eólica e de biomassa vão atrair US$ 237 bilhões de investimentos ao país até 2040.

Neste blog post, convidamos você a conhecer um pouco mais sobre essas fontes de energia renováveis e a entender por quê serão protagonistas no futuro da energia do Brasil.

A crescente penetração das fontes limpas na matriz energética dos países desenvolvidos, principalmente China, EUA, Japão e Alemanha, proporcionou fortes ganhos de escala aos fabricantes de equipamentos.

A queda de preços, por sua vez, aumenta a atratividade financeira destes investimentos, aumentando o volume de produção das fábricas e promovendo um ciclo vicioso, potencializado pela preocupação com mudanças climáticas e pelo crescente custo da energia das concessionárias públicas.

As fontes renováveis de energia – biomassa, pequenas centrais hidrelétricas (PCHs), eólica e solar fotovoltaica, devem proporcionar grande parte da solução para uma matriz elétrica diversificada, limpa, segura, econômica e abundante no País.

A energia renovável está cada vez mais competitiva e os projetos podem ser construídos rapidamente, atendendo à crescente demanda por energia no Brasil.

Além disso, a incorporação de modernas tecnologias de informação no processo de fornecimento da energia irá mudar não só a forma como usufruímos este recurso, mas também a forma como socialmente o encaramos.

Para que possa entender melhor, vamos citar algumas tendências globais em energia renovável para ficar atento.

Expansão da energia solar e eólica

Segundo a edição 2017 do relatório New Energy Outlook (NEO), produzido anualmente pela Bloomberg New Energy Finance (BNEF), as fontes eólicas e solar representarão 34% da geração de eletricidade até 2040, em comparação com os 5% atuais.

Mais US$ 7,4 trilhões deverão ser investidos em novas usinas de energia renovável, o que representa 72% dos US$ 10,2 trilhões em investimentos projetados para geração de energia em todo o mundo.

Painéis fotovoltaicos ganharão mais mercado

O custo da energia solar de painéis fotovoltaicos, que hoje é um quarto do que era em 2009, deverá baixar outros 66% até 2040. Até lá, um dólar comprará 2,3 vezes mais energia solar do que hoje, pelos cálculos da BNEF.

Até 2040, os painéis solares fotovoltaicos residenciais representarão até 24% da eletricidade na Austrália, 20% no Brasil, 15% na Alemanha, 12% no Japão e 5% nos EUA e na Índia.

 

Baterias e sistemas de armazenamento serão essenciais

Os analistas da BNEF estimam que o mercado de baterias de íons de lítio atrairá investimentos de pelo menos US$ 239 bilhões entre hoje e 2040.

As baterias de larga escala competem cada vez mais com o gás natural para fornecer flexibilidade ao sistema em horários de pico. As baterias de pequenas dimensões, instaladas em residências e empresas ao lado dos sistemas fotovoltaicos, irão representar 57% do armazenamento em todo o mundo até 2040.

Veículos elétricos aumentarão demanda por novas fontes

A BNEF projeta que as vendas de carros elétricos vão superar as de modelos a gasolina e diesel em 2040, o que refletiria um rápido declínio no custo das unidades de baterias de íons de lítio que armazenam a eletricidade para os veículos.

A empresa projeta que haverá 530 milhões de carros elétricos nas ruas em 2040, um terço do total de carros no mundo.

 

O Brasil e o mundo estão caminhando cada vez mais rumo ao uso das energias renováveis. Você também já pode participar dessa mudança, comece solicitando um orçamento em nosso site e gerando sua própria energia!

 

Elisa Meira Bastos