Energia limpa

Todos nós, ao consumirmos energia da rede elétrica, contribuímos com a emissão de gás carbônico, conhecido pelo seus efeitos nocivos ao meio ambiente.

O Brasil é privilegiado, por contar com uma matriz energética composta majoritariamente por usinas hidrelétricas. Ainda assim, a energia gerada por essas usinas não pode ser considerada 100% limpa, já que a decomposição da matéria orgânica nas áreas alagadas produz gases metano e CO2. Pior ainda é quando falta chuva e temos que acionar as termelétricas, mais caras e altamente poluentes.

A energia solar fotovoltaica aparece como uma das melhores alternativas para esse problema, já que utiliza uma fonte limpa de energia: a luz do sol. Mas você sabe o quanto um sistema fotovoltaico contribui para o meio ambiente? Continue lendo para entender um pouco mais!

 

O Fator de CO₂

Para sabermos como calcular a redução de emissões, é necessário primeiro saber qual é o fator de CO₂ da matriz energética brasileira. O fator de CO₂ representa a quantidade de gás carbônico emitida para a produção de 1 kWh, que é medido em kgCO₂/kWh.  Quanto mais combustíveis fósseis forem queimados para gerar energia para um determinado país, maior será a quantidade de CO₂ produzida, aumentando seu fator de CO₂.

O Ministério de Minas e Energia indica que, em 2016, o valor médio do fator de CO₂ no Brasil foi de 0,08tCO₂/MWh. Como exemplo, pode-se indicar que a cada 500MWh produzidos, foram gerados em média 40 toneladas de gás carbônico.

Em função da segmentação da matriz energética brasileira, composta principalmente por hidrelétricas, o fator nacional de CO₂ é mais baixo que de outros países dependentes de um número maior de usinas termelétricas. No entanto, como já indicamos, períodos de longas secas implicam na necessidade de ativar usinas termelétricas que aumentam a emissão de poluentes, além é claro de implicar em aumentos na tarifa.

Já escrevemos um post sobre aumentos sazonais e a política de bandeiras tarifárias, que você pode ler neste link.

Gerando energia limpa, quanto CO₂ posso deixar de emitir?

A partir do fator de CO₂ é possível indicar tanto a quantidade de poluentes emitida pela geração de energia, quanto a quantidade que deixa de ser emitida ao se utilizar um sistema de geração fotovoltaica, baseado em fonte limpa e renovável.

Utilizando a mesma conta do exemplo anterior, é possível verificar quanto CO₂ um sistema fotovoltaico deixa de emitir na atmosfera. Considere um sistema que gera em média 500kWh/mês:

500kWh/mês x 0,08kg/kWh = 40kgCO₂/mês

Neste exemplo, 40kg de gás carbônico deixam de ser emitidos para a atmosfera mensalmente, colaborando para o bem estar de todos. E mais, ao longo de sua vida útil, de no mínimo de 25 anos, um sistema fotovoltaico irá evitar a emissão de 1.000kg de CO₂. Uma tonelada, que é o equivalente a mais de 8 mil quilômetros rodados com um carro!

Além de ser uma ótima opção de investimento, que mostra resultados expressivos já a partir do primeiro mês após a instalação, você passa a colaborar todos os dias com o meio ambiente. Quer saber mais? Entre em contato conosco!

 

mm
Lucas Mendes

Formado em administração de empresas, por dois anos se dedicou a um MBA pela IESE Business School da universidade de Navara (Espanha). Atuou na Schneider Electric, empresa global especialista em gestão de energia e em bancos de investimento e fundos de capital de risco com foco nos setores de energia e infra-estrutura.