Em novembro de 2015 a ANEEL fez projeções agressivas para o crescimento do setor de geração distribuída com base nos primeiros anos após a implementação da RN 482/12. Com a Nota Técnica nº 0056/2017, publicada em maio deste ano, a agência revisou essas projeções, principalmente para os sistemas fotovoltaicos frente aos dados coletados até agora.

 

 

Já falamos  em outro blogpost sobre a evolução dos sistemas de geração distribuída no Brasil, desde a aprovação da RN 482/12. Periodicamente atualizamos as informações no nosso acompanhamento mensal do número de sistemas de geração distribuída, nas diferentes modalidades de geração. Utilizamos os dados da Agência Nacional de Energia Elétrica – ANEEL e os apresentamos de forma gráfica para facilitar a compreensão. O que pode ser facilmente visualizado é o crescimento do número de instalações de sistemas de geração distribuída, que ocorreu a partir de 2016, e o grande destaque dos sistemas de energia solar fotovoltaica.

Continue lendo para saber quais as novas projeções da ANEEL para o setor de geração distribuída e como os sistemas de energia solar fotovoltaica se enquadram nesta visão do futuro.

Resumo do panorama atual

A publicação faz um resumo da situação atual do setor de Geração Distribuída, destacando o crescimento do número de sistemas fotovoltaicos e a grande relevância que os consumidores residenciais tiveram no processo de crescimento. Pode-se destacar:

  • O número de consumidores com micro ou minigeração distribuída no final de 2016 é 4,4 vezes superior ao registrado no final de 2015;
  • A fonte solar fotovoltaica representa 99% do número total de instalações e;
  • Também responde por 70% da potência instalada dos sistemas de geração distribuída;
  • Os consumidores residenciais representam 79,5% das instalações e o setor comercial 15%;
  • A faixa de potência preponderante é menor ou igual a 5kW, corroborando a participação de sistemas residenciais;
  • O estado com mais sistemas instalados é Minas Gerais, seguido de São Paulo;
  • 93,2% das conexões se destinam apenas à unidade consumidora em que o sistema foi instalado.

 

Projeções da ANEEL para 2017-2024

A partir dos dados atuais a ANEEL revisou as projeções de 2015 para o setor fotovoltaico, adotando uma perspectiva mais conservadora sobre sua expansão. Em 2015, o número de sistemas de geração distribuída esperados para 2024 era de 1.230.980. Já na nova projeção, o número caiu para 886.723, uma redução de 30%. Veja abaixo a reprodução do gráfico da Nota Técnica, com as expectativas iniciais e a atual:

Na mesma medida, a expectativa de crescimento da potência instalada indica uma queda de 30% entre a perspectiva inicial e a atual, que passou da projeção de 4.577 MW para 3.209 MW até 2024.

As justificativas que a ANEEL indica para a redução na projeção são relativas ao menor crescimento esperado dos mercados residenciais e comerciais entre 2017 e 2024, além da premissa de adoção da bandeira amarela para todo o período. Na projeção de 2015 a bandeira considerada foi a vermelha (para saber mais sobre a política de bandeiras leia nosso post). Além disso a ANEEL aponta como motivos da desaceleração do crescimento do setor: a crise financeira pelo qual o Brasil vem passando nos últimos anos, o perfil conservador do consumidor, que tem receio em fazer investimentos com payback de em média 5 anos e a falta de linhas de financiamento acessíveis.

Grande potencial de crescimento mesmo com redução da projeção

Ainda que a ANEEL tenha reduzido a expectativa de crescimento do setor fotovoltaico é importante avaliar que este crescimento ainda é muito expressivo. Como é possível ver no gráfico projetado pela agência, espera-se que em 2017 o número de unidades consumidoras que podem receber créditos de geração distribuída chegue a  26.857. Como até junho deste ano o total de sistemas era de 11.160, espera-se a implementação de ao menos mais 15.600 sistemas, um crescimento de 140% em apenas 6 meses, mesmo considerando as condições desfavoráveis da economia. Se for considerado todo o período projetado pela ANEEL, o crescimento esperado será de mais de 7.800% em 8 anos ou mais de 900% por ano! Mesmo com a revisão da previsão da agência o potencial de crescimento é grande!

Com relação ao receio dos consumidores em fazer o investimento, é importante lembrar que o sistema fotovoltaico apresenta taxas de retorno melhores que qualquer aplicação financeira de renda fixa, leia esse post e veja a comparação que fizemos.

Para ter acesso a Nota Técnica nº 0056/2017 da ANEEL acesse nossa área de downloads e baixe o arquivo completo. Já se você quer se juntar aos clientes que já economizam gerando a própria energia, peça um orçamento!

mm
Lucas Mendes

Formado em administração de empresas, por dois anos se dedicou a um MBA pela IESE Business School da universidade de Navara (Espanha). Atuou na Schneider Electric, empresa global especialista em gestão de energia e em bancos de investimento e fundos de capital de risco com foco nos setores de energia e infra-estrutura.