“Quero instalar um sistema solar fotovoltaico em minha casa, porém não pretendo morar nela por 25 anos. Ainda assim vale a pena?”. Vale sim!

Essa é uma dúvida recorrente que muitas vezes faz com que o consumidor fique indeciso e desista de instalar o seu sistema. Criamos este artigo para informar ao leitor como o sistema fotovoltaico valoriza o seu imóvel, tornando atrativa a instalação mesmo caso este seja vendido nos anos seguintes.

sistema solar fotovoltaico

Cada vez mais consumidores estão optando por gerar a própria energia a partir do Sol e se tornar mais independentes da concessionária local. Em janeiro deste ano, a ANEEL anunciou que havíamos chegado à marca de 7.634 conexões de unidades fotovoltaicas conectadas à rede. O mercado está em plena expansão e já podemos considerar a geração distribuída uma realidade consolidada no Brasil.

Por outro lado, a legislação que instituiu a geração distribuída e o sistema de compensação (REN ANEEL n° 482/2012) é ainda muito recente. Portanto, são raros os casos de imóveis com sistemas fotovoltaicos solares colocados à venda, e consequentemente não existem dados em âmbito nacional retratando a valorização do imóvel em função da presença de um sistema de energia solar.

O mercado imobiliário fotovoltaico nos EUA

No entanto, para analisar a valorização dos imóveis decorrente da presença de sistemas fotovoltaicos, podemos tomar como base o mercado imobiliário dos EUA, onde já foram conduzidos estudos neste sentido, visto que os sistemas fotovoltaicos domésticos já são comuns no país há mais de duas décadas.

Em 2015, quando os EUA alcançaram mais de 500 mil sistemas fotovoltaicos instalados, foi publicado pelo Departamento de Energia do Berkeley Lab (University of California) um interessante estudo (em inglês) analisando o mercado imobiliário fotovoltaico. O trabalho analisou quase 22 mil vendas residenciais, das quais quase 4 mil continham sistemas fotovoltaicos instalados entre 1999 e 2013.

Os pesquisadores concluíram que, de maneira geral, os compradores estão dispostos a pagar um valor adicional de 4 dólares por Watt Pico instalado. Outra importante conclusão foi que a presença de um sistema solar fotovoltaico reduz consideravelmente o tempo médio de venda do imóvel, tornando-o muito mais competitivo que os imóveis convencionais.

Comparação do sistema solar fotovoltaico dos EUA com o Brasil

Tomando como base os valores do estudo americano e a cotação atual do dólar (R$ 3,13), vamos fazer uma analogia simulando o caso de um imóvel residencial no Brasil com um sistema fotovoltaico convencional de 2,65 kWp (adequado para um consumo próximo a 400 kWh/mês, ou cerca de R$ 332/mês com base na tarifa atual da CEMIG).

Por contemplar o sistema fotovoltaico, que garantirá ao comprador a geração de energia própria e a consequente economia na conta de luz, no momento da venda o imóvel sofreria uma valorização de R$ 33.178,00. Este valor é inclusive maior do que o custo atual de aquisição do sistema no mercado nacional.

Por fim, se coloque nos pés de um comprador de imóveis. Você está entre duas casas: uma com um sistema fotovoltaico e uma sem. Comparado ao valor total do imóvel, certamente o incremento decorrente da presença do sistema fotovoltaico é quase irrisório, possivelmente inferior a 5%.

Qual das casas você escolhe: uma casa tradicional, ou uma casa que lhe permite desde o primeiro dia gerar a sua própria energia a partir de uma fonte renovável, proteger-se contra reajustes tarifários, tornar-se mais independente da concessionária e fazer o bem para o mundo e para a sociedade de inúmeras formas? Muito fácil a decisão, concorda? Este será o pensamento do comprador na hora que você colocar a sua casa à venda!

Gostou e quer receber em primeira mão mais conteúdos como esse? Cadastre-se em nossa newsletter!

mm
Jorge Barbi

Formado em Engenharia de Energia pela PUC MG com complementação na Lawrence Technological University (EUA), conta com experiência profissional nacional e internacional na área de energias renováveis, nas empresas Landfill Energy Systems (atual Aria Energy – EUA) e Methanum Resíduo & Energia.